Páginas

terça-feira, 2 de março de 2010

Den Den Town

A noite em Den Den Town é o que se chama, em um clichê, de vibrante. Muita gente caminhando, japoneses em ebulição, cabelos e roupas extravagantes, letreiros enormes capazes de fazer Kassab se arrepiar. Luz, muita luz! A idéia de que japonês é tudo igual vai por água abaixo em Den Den Town: tem japa de cabelo louro, tem japa de cabelo Chitãozinho e Xororó, tem japa tatuado e japa com piercing. Tem japa embriagado e japa chapado. Tem muito, muito japa e muitos estrangeiros também.
E ontem fui a Den Den Town, pra tentar comprar uma máquina fotografica (consegui!), pra passear um pouco, pra não me trancar no meu quarto, pra comer no restaurante italiano que meus colegas tanto recomendavam, pra passar um tempo com os colegas que nunca mais vou ver.
Mas no meio da balbúrdia e excitação de Den Den Town, havia um silêncio que era mais ensurdecedor que o rock inglês que tocava insistente de dentro das lojas, mais alto que o "Iashamasen" gritado em voz estridente por cada atendente de cada loja, numa voz tão aguda que só quem já entrou numa loja japonesa pode entender. Havia um silêncio que não era de tristeza, mas de falta. E, contraditório como seja, era também um silêncio de presença, de olhar em volta e sentir em tudo, mesmo quando tudo a volta era completamente diferente do que se via antes.

Um comentário:

TATY BE TATY Edição de Imagens disse...

Amiga, que bom vc está mandando notícias boas... O terremoto no Chile me fez pensar em vc, aí no Japão com ameaças de Tsunamis... Mas não foi nada, graças a Deus está tudo bem com vc e com o mundo, que se recupera de catástrofes naturais, sei lá o q dizer mesmo... Só sei que estou feliz q vc tá bem...

Bjão e volta logo, muiézinha...