Páginas

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Dia da Avó

Só hoje descobri que ontem foi o Dia da Vovó. "Mais uma invenção do mercado publicitário/comércio/sistema capitalista para nos fazer gastar dinheiro", diriam alguns. E não deixa de ser verdade. Mas é bem verdade também que é muito bom ter esses dias pra homenagear pessoas queridas.
Meus filhos têm ótimas avós. Longe da imagem de vovó fazendo tricô, elas são muito participativas na vida dos três. Elas não têm toda a disponibilidade de tempo que as avós de antigamente tinham, mas em compensação têm disposição de sobra pros netos. Palmas pra elas! Que Deus proteja e abençoe as avós - santas padroeiras do domingo à tarde! Mas eu queria falar mesmo era das minhas avós.
Minha avó Lourdes, mãe da minha mãe, era paraense de Itaituba. Dura. Seca. E um amor de avó. Sabe-se lá como, ela conseguia nos encher de carinho sem dizer uma só palavra de afeto. Seu amor era externado em comidinhas, preocupações exageradas e sermões intermináveis. Grande parte da minha infância passei na casa dela, na rua Breno Pinheiro. Houve uma época em que todas as tardes minha mãe me deixava lá quando ia trabalhar e só me pegava a noite. Os fins de semana eram sempre com ela. Achando pouco, acabei me mudando pra lá sob a desculpa de morrer de alergia a poeira, numa época em que minha casa estava sendo reformada. A reforma acabou e meu pretexto também, mas volta e meia eu tava pela casa dela. Nas férias, me mudava de mala e cuia pra casa que ficava a no máximo 3 quilômetros da minha.
Da sua história sei pouco: algo que ouvi ali, um cochicho que pesquei acolá. Vovó Lourdes perdeu a mãe muito cedo - acho que aos 15 anos. Como irmã mais velha, assumiu a criação dos quatro irmãos. Cedo casou, em circunstâncias não muito felizes, como fiquei sabendo depois. Teve doze filhos, dos quais oito vingaram. Gravidez de gêmeos, ela teve duas. Duas meninas vingaram. Duas, não. O primeiro filho também morreu, aos 7 anos de vida. Uma outra menina morreu ainda pequena, assim como as primeiras gêmeas. Lembro de ouvir pedaços dessas histórias quando era criança e de imaginar essa vida, a vida da minha avó, como um filme. O enredo me parecia tão distante da realidade que eu vivia naquela casa...
Sem dúvida a maior referência feminina que tenho na vida é ela. Às vezes me pego reclamando à toa e penso o quanto a vida deveu à minha avó em felicidade e paz. O quanto eu tenho de amor e companheirismo que ela jamais imaginou ter. Quanto desamparo ela deve ter sentido ao longo da vida, enquanto eu sigo protegida e amada na minha vidinha trivial.
Mais que tê-la como referência, tenho dona Lourdes correndo em cada micro-vaso do meu corpo. Meu jeito turrão e briguento, minha tendência centralizadora e dominadora, meu ceticismo em relação à vida vieram dela. Porque nunca me iludi: minha avó era uma anti-Pollyanna. Ela apenas tinha aprendido a domar as expressões de absoluta desilusão com o mundo - coisa que eu ainda não consegui.
Eu tinha acado de ter meu primeiro filho quando ela adoeceu. Me sentia a própria dona da vida, capaz de gerar e amamentar um ser, quando minha avó foi diagnosticada com câncer. Quinze dias depois ela morreu. No dia seguinte Pedro fez um mês. E eu descobri que de nada adiantava ser capaz de gerar vida se não era capaz de barrar a morte.
Outro dia me peguei pensando que eu não tenho mais avós, de nenhum lado. E que meus pais e tios são, portanto, os mais ve

3 comentários:

Danielle disse...

Olha só onde vim deixar mensagem! Logo no texto sobre os bolinhos de chuva. Quer dizer sobre as avós. Não tenho mais a minha, mas em compensação tenho uma mãe/vó. Sim, pq ela é durona, reclama, educa, mas também estraga que é uma beleza kkkk
Menina, agora que eu tô absorvendo a previsão que a mãe Diná/Clarissa fez pra mim. Que história é essa de dar aula pro Jessé? Nem vou atrás dessa história kkkkkk
À propósito, roubei seu texto do cheiro, mas não se preocupe, vou dar os créditos, viu?
Cheiro.

Leo Cardozo disse...

ainda tenho minhas vós, uma delas ate passa atualmente por um problema d Saude(câncer na garganta) o engraçado é que uma é completamente o oposto da outra uma é super carinhosa e a outra é turrona e nem um pouco amavel... lendo seu texto lembrei das minhas ferias que sempre ia passar no interior andando a cavalo, pescando aprontando todas e comendo da delisiosa comida da vovó e receber o velho e bom cafuné, abração Clarissa

Mayra Cunha disse...

primíssima!! descobri seu blog olhando teu msn por acaso.

adorei. adorei. adorei. sinto falta de ter notícias suas e essa é uma boa alternativa. o milk shake semudou pro blogspot. vida muito melhor... hehehehe.

beijo grande.

ps. nossa vó lourdes era TUDO!!!