Páginas

sábado, 14 de agosto de 2010

Paleta

O dia começou branco - é assim que começam os sábados, esperando para serem preenchidos. Supermercado com as crianças, contas a pagar, almoço na casa da mãe, preparações para a feira de ciências do filho.
Depois do almoço, o dia já era verde. Telefonemas, mensagens - o que fazer à noite, pra onde ir, etc e tal, mais tarde combinamos, pra praça não vou hoje de novo nem a pau, vamos fazer um brownie mais tarde, depois da aula eu penso, por que não comer caranguejo?
Na Wizard, o dia é sempre azul. Aulinha tranquila, alunos atentos. Hora de ir embora e quando saí do shopping já era noite e eu nem tinha percebido.
Na indecisão sobre aonde ir, acabei decidindo ficar em casa e fazer a faxina no escritório que há dias prometo. Mas foi só começar que tudo ficou vermelho. Antonio e Zé que brincavam lá embaixo subiram chorando. De longe ouvi o choro alto e escandaloso do Zé, com o Antonio como backing vocal. "Terão brigado?", pensei. Nos braços da Ana, Antonio vinha tingido de vermelho, com o sangue escorrendo da testa. Zé seguia branco atrás e chorava muito mais que o irmão menor.
Acalmar o Zé era claramente a primeira medida a ser tomada: "mãe, eu derrubei o Tontom e o célebro dele tá saindo pela testa". E Antonio, assustado e sentindo dor, ainda dizia, no meio do choro: "Foi sem querer, Zé, eu sei que foi."
Boto Antonio embaixo do chuveiro. O sangue era tanto que pensei que nunca iria parar. Depois, correr pro Prontomed e me orgulhar mais uma vez da coragem do meu Guerreiro, que não chorou nem meia vez enquanto levava três pontinhos na testa.
Uma cicatriz com certeza vai ficar, como um terceiro olho (ou um segundo, no caso dele?). Mas vai ficar também como uma marca desse amor tão lindo dos dois: o sangue que escorria da testa do Antonio deixava pálido era o Zé.
E o dia terminou foi cor-de-rosa, que deve mesmo ser a cor do amor.

2 comentários:

andre disse...

COMO NÃO SE ENCANTAR, SE APAIXONAR DE ENCANTAMENTO POR ALGUEM QUE CONSEGUE TRADUZIR EM POESIA, DAQELAS LEVES E GOSTOSAS (POESIA DA BOA) SITUAÇOES QUE EMBORA DO COTIDIANO SAO CHOCANTES! COMO NAO POSSO CASAR CONTIGO QUERIA SER TEU FILHO!! RSRSRS AINDA CABE MAIS UM
KKKKKKK (OPS AQUI DEVE SE SER CACACACACA)abração querida,
PS: o jornalismo ganhou mais do que devia com sua chegada, e a antropologia tambem

Penélope Charmosa disse...

Filho aqui sempre cabe, querido Marido é que não! rs! E gente querida assim como vc quero é sempre bem pertinho.
Bjs.