Páginas

segunda-feira, 28 de junho de 2010

A Copa nossa de cada dia

Não me entendam mal: não é que eu queira que o Brasil perca a Copa. Mas esse negócio de jogo mexendo com meu horário já tá me dando nos nervos. Tipo assim: eu já tive que remarcar prova, desmarcar aula, re-organizar minhas coisas simplesmente porque vinte e dois marmanjos resolveram correr atrás de uma bola (Jabulani é o nome dela!).
Não desmereço as intensas emoções que 99% dos brasileiros parecem sentir quando o Brasil entra em campo. Confesso que sinto até certa inveja de quem se empolga assim. Sempre invejei aquela paixão das pessoas que torcem e vibram por seus times, campeonato após campeonato. Imagina a cegueira que é ser torcedor de um time e vê-lo o ano todo lascado e ainda assim bater com orgulho no peito e se declarar Atleticano/Flamenguista/Botafoguense ou qualquer coisa que o valha?
Mas eu não consigo me empolgar. E ponto. Gosto da folia, da galera reunida, da cerveja gelada, e até grito GOOOOOL quando todo mundo grita. E se for pra xingar argentino até xingo também, mas só porque é argentino (desculpa, anjo Ariel, la pequeña sirena).
Nessa copa tô gostando do povo gritando "vai, Kaká, vai, marca!". Por alguns milésimos de segundo penso que é comigo. Mas depois me toco que aquele Kaká é com K, e que pouco me interessa pra onde mesmo ele vai.
O fato é que hoje apostei no bolão que o Brasil perdia. Só pra ver se assim eu não tinha que desmarcar minhas aulas de sexta (que seriam encerramento de disciplina). Sem contar com o encerramento de uma disciplina do mestrado que seria na sexta de manhã e que agora não faço a mínima idéia de quando será. Mais do que uma vitória do Brasil, tô precisando mesmo é de férias, mas a Copa não deixa.

2 comentários:

Myllena disse...

Kakazinha; Por que será que concordamos tanto?? Será a urgência de viver independente do que mais o mundo ache importante? Será só diferença? Um ou outro, adoro essa identidade.

Penélope Charmosa disse...

Se nosso amigo Jota Erre ainda habitasse entre nós diria que concordamos porque somos duas Powergirls-porém-mulherzinhas. BJ!